domingo, 31 de outubro de 2010

Foco de infecção

Los gritos que salen de la clínica ponen los pelos de punta a cualquiera. Parece que fueran matando uno a uno a quienes entran allí. "La inyección es muy dolorosa", justifica la doctora Fruzan Ahmedi con una jeringuilla en la mano, preparada para clavarla en el próximo paciente aquejado de lo mismo: leishmaniasis. Una enfermedad que en Occidente suena 'a chino' (aunque es una zoonosis que puede afectar a los perros), pero que en Afganistán está ampliamente extendida.

La epidemia de los pobres en Afganistán

sábado, 30 de outubro de 2010

Um PR " a tocar um fragmento da Cruz de Cristo"

Un sendero mágico se adentra en el interior de Cantabria. Es el Camino Lebaniego, que recorrían aquellos peregrinos que aspiraban a venerar y tocar el mayor fragmento conocido de la Cruz de Cristo. Nace en la costa, salta sobre espectaculares rías, supera colinas, ningunea gargantas de roca y no deja amilanarse por cumbres nevadas.

Rutas con alma (I): El Camino Lebaniego


sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Ruta 66

Buena parte de mi interés musical se lo debo a Ruta 66, que empecé a leer en mi adolescencia. Desde que tengo usó de razón soy consumidor de revistas de música y desde hace años he estado suscrito a varias, según épocas a unas u otras, como Rockdelux, Efe Eme, No Depression, Uncut o Mojo. Pero Ruta 66 es mi cabecera preferida por insuflarme la pasión por la música, y sentirme muy identificado con sus contenidos. Ninguna publicación en España ha hecho tanto por dar a conocer el nuevo rock americano, el garage o la música negra.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

dejarse llevar por la melodía e imaginar que aún estamos en 1966"

El planeta, especialmente Londres y Nueva York, está repleto de lugares comunes que un día dejaron de serlo por haber protagonizado la portada de un disco, más o menos mítico. Icónicas localizaciones, no obstante, de las que nadie escuchará comentario alguno en una oficina de turismo, pero que brindan una gran oportunidad para endulzar el viaje si se está de paso por la ciudad. Y si no, al menos, garantizan una historia que contar.

Este sitio me suena


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Grandes fotos

The Nikon International Small World Photomicrography Competition recently announced its list of winners for 2010. The competition began in 1974 as a means to recognize and applaud the efforts of those involved with photography through the light microscope.

Small Worlds


domingo, 24 de outubro de 2010

Maio maduro Maio...

Weeks of strikes, protests and demonstrations have brought much of France to a standstill as workers, students and others voice their strong opposition to a government proposal to raise the age for a minimum pension from 60 to 62.

France on strike

sábado, 23 de outubro de 2010

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Tachos, panelas & milagres da rosa. Aguenta Zé!


Tacho para a cunhada de José Sócrates <http://democraciaemportugal.blogspot.com/2010/10/tacho-para-cunhada-de-jose-socrates.html>
Cunhada de Sócrates é assessora na EPAL <http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/exclusivo-cm/cunhada-de-socrates-e-assessora-na-epal215800953>
A EPAL, empresa pública tutelada pelo Ministério do Ambiente, contratou em Junho deste ano, já em plena derrapagem das contas públicas, a cunhada do primeiro-ministro para assessora do conselho de administração. A admissão de Mara Mesquita Carvalho Fava, irmã de Sofia Fava (ex-mulher de José Sócrates), nos quadros da EPAL ocorreu após quase dois anos como trabalhadora da empresa a recibos verdes. A cunhada de José Sócrates terá um salário mensal bruto de 2103 euros, acrescido de 21,5% do ordenado por isenção de horário de trabalho. O ingresso de Mara Fava nos quadros da EPAL foi revelado pelo próprio jornal da empresa: na edição de Junho de 2010 do 'Águas Livres', na coluna Movimento de Pessoal, indica-se que foram admitidas Mara Fava e Mariana Barreto Dias de Castro Henriques, mulher de Jorge Moreira da Silva, ex-secretário de Estado do Ambiente, ex-consultor do Presidente da República e vice-presidente do PSD. Tudo gente do povo, vivendo com o rendimento se inserção, talvez até, penso eu ingenuamente ! A Comissão de Trabalhadores, em resposta ao CM, assume que o assunto "é falado entre os trabalhadores da EPAL e em termos nada abonatórios para os envolvidos, directa ou indirectamente, na sua admissão, assim como para a justificação do vencimento, mais isenção de horário de trabalho".
COMENTÁRIO: Assessora de um assessor!!!! looooooooooooooool 2103€ + 452€ (21,5%) = 2555€ por mês!!! Para quem era precária.. e de um momento para o outro se muda, não é nada mau !
É para isto que servem os Institutos Públicos, Empresas Municipais, Fundações..
Eis a razão porque não as extinguem. É aqui que é roubado o nosso dinheiro para dar aos familiares da bandidagem e outros parasitas da partidocracia.
Depois dizem que não há, onde cortar despesas, e que são necessários mais impostos e mais impostos.
Aguenta ZÉ !

NOTA - se cada um de nós enviar para a sua lista de contactos, e se cada um deles fizer o mesmo, rapidamente todo o país tomará conhecimento destas mordomias partidárias que julgam escondidas.


Depois logo se vê, pois eles são mesmo cara de pau !

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Mulheres Nuas a Ler

Quantas vezes entre o mundo dos saltos rasos que me rodeia ouvi a frase: "Não tenho paciência para ler. Odeio livros!". Para quem, como eu, ler é atividade sagrada nos tempos livres, esta falta de apreço pela leitura é um verdadeiro sacrilégio. Contudo, meus queridos amigos que acham os livros chatos, deixo-vos uma pergunta: e se uma mulher, totalmente nua, vos lesse um livro, continuavam a achar a leitura algo aborrecido?
Michele L'Amour é a autora da iniciativa literária sem roupa
Michele L'Amour é a autora da iniciativa literária sem roupa
Naked Girls Reading
Nos Estados Unidos e Canadá a ideia provocante ganhou forma (eu diria mesmo "formas") com o grupo literário Naked Girls Reading (Mulheres Nuas a Ler).

Sessões de literatura feitas por... mulheres nuas

terça-feira, 19 de outubro de 2010

"una jovencísima y guapísima estudiante francesa"

Hay cientos, miles de fotos de las movilizaciones estudiantiles francesas de estos días contra las últimas medidas del presidente Sarkozy. Pocas cosas hay más fotogénicas que unos jóvenes airados. Pero sólo una de esas imágenes se nos ha quedado clavada a muchos. Pertenece a esta joven:

domingo, 17 de outubro de 2010

"Cercados" pelos media

La historia de los 'héroes de Atacama' ha dado la vuelta el mundo. Los 33 mineros, que esta semana pudieron, al fin, ser liberados tras un rescate que dio la vuelta al mundo siguen siendo noticia días después de la hazaña en Chile. El diario La Tercera ha publicado fotos inéditas de estos dentro de la mina, su estado de salud se sigue al minuto, y cualquier reacción, movimiento o gesto es mirado con lupa por los medios de comunicación... algo que parece, no está acabando de sentar nada bien a los protagonistas de la historia.

Publican fotos inéditas de los mineros de Chile, que han acordado no hablar


Os melhores livros de viagens

Este domingo vamos a reseñar algunos de los mejores libros de viajes de la historia. No se trata de una lista exhaustiva, sino de una pequeña selección cuyo único propósito es invitar a descubrir algunos de los clásicos de este género literario.

Literatura muy viajera


sábado, 16 de outubro de 2010

"Rare exports: a Christmas tale"

El mito de Papa Noel, al descubierto. La finlandesa Rare exports: a Christmas tale, de Jalmari Helander, ha sido la ganadora de la 43ª edición del festival de cine fantástico de Sitges, en un año que, como ha reconocido Ángel Sala, director del certamen, al finalizar la lecturadel palmarés, "ha sido complicada por muchas razones". "Nos ha costado sangre, sudor y lágrimas, pero aquí está el resultado: el mejor certamen del mundo en su género".

Papá Noel gana en el Festival de Sitges


sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Os mortos de Pinochet en Copiapó não saem na TV

Consiguieron salir los 33 mineros de San José tras 69 días de entierro, pero en el desierto de Atacama que se los tragó hay más historias, la de los desaparecidos de La caravana de la muerte, el escuadrón de asesinos que dirigido por el general Sergio Arellano Stark mató en octubre de 1973 a 96 personas sin juicio ni sentencia, al capricho del dictador Pinochet, con el fin de dar escarmiento y ejemplo. En Copiapó, donde se arremolina la prensa mundial para asistir a la salida de los primeros dados de alta, se asesinó a 16 personas, tres de ellas siguen desaparecidas. Le supera Calama, con 26. Hubo más en Valdivia (12), Curicó (dos), Linares (cuatro), Cauquenes (cuatro), La Serena (15), Antofagasta (14) y Arica (tres).

Los muertos de Pinochet en Copiapó no salen en la televisión


Trabalhos perfeitamente coordenados

Pensemos en la economía mundial. También ha estado prácticamente enterrada hasta hace apenas unos meses y cuando la cápsula Fénix que la llevaba a la superficie se veía emerger, volvió a caer. Así, la mayoría del mundo desarrollado, con Estados Unidos y Japón a la cabeza y con la excepción de Alemania, está ahora en una peligrosa situación de ‘impasse’ en el crecimiento sobre el que muy pocos se atreven a pronosticar su evolución.

Los mineros chilenos...

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"Duelo entre Canaletto y sus rivales"

El pintor italiano Giovani Antonio Canal (1697-1768), conocido como Canaletto, se mosqueaba con facilidad con sus colegas contemporáneos. Quería ser el mejor y el más cotizado, y lo consiguió.

El origen de Venecia como postal


terça-feira, 12 de outubro de 2010

Algumas bloggers

Se para uns os blogues são apenas um hobby, para outros são verdadeiras oportunidades de, por exemplo, negócio. Veja como algumas bloggers conseguiram sobressair no gigante mundo da blogosfera

As bloggers mais poderosas do mundo

domingo, 10 de outubro de 2010

Perguntas & Respostas 69

Desde los mitos urbanos hasta las tendencias que no habías imaginado. Esta lista te muestra 69 preguntas y respuestas interesantes sobre el sexo. Culturales, religiosas, médicas, genéticas, deportivas, en el arte, en el cine y mucho más.

Sexo: 69 preguntas... y sus respuestas


sábado, 9 de outubro de 2010

Maria João Pires

El Centro de Belgais cerró sus puertas en 2006 por falta de subvenciones y sin que el gobierno luso hiciera nada por impedirlo. Fue un especie de derribo controlado por las autoridades. Y antes de que algunas instituciones, entre ellas una española, organizaran el reflote de la escuela, la pianista ya había emigrado a tierras brasileñas. “Me marcho -dijo- para librarme de la decepción que he sufrido en Portugal. Me voy a Brasil para respirar tranquila”. Dicho y hecho. Desde entonces, pasa la mitad del año en las afueras de Salvador de Bahía, adonde mandó trasladar su Steinway Concert Grand Majestic, un piano de cola que ocupa la única habitación con aire acondicionado de la casa.

“Si todo va bien, en dos años me retiro”


sexta-feira, 8 de outubro de 2010

JC - Panasqueira (a caminho, quase) V


Como lá chegar
Cristal de quartzo com uma inclusão de calcopirite Partindo da cidade do Fundão deve seguir na direcção de Silvares. Depois de passar Silvares a cerca de 2 Km existe uma tabuleta com a indicação de Minas da Panasqueira. A estrada segue, por uma encosta que desce até ao Rio Zêzere. Vai encontrar um primeiro aglomerado de casas, antigas instalações mineiras e uma escombreira. Está a passar pela povoação designa de Rio, onde se encontram as antigas lavarias onde era tratado o minério.
A estrada tem algumas curvas perigosas, até se atravessar a ponte no rio Zêzere. Pare um pouco junto à ponte e desfrute da paisagem. Uma mistura de paisagem natural, o rio e as encostas, e uma paisagem humanizada em que se sobressaem as escombreiras, que provocam algum impacto visual.
Siga a estrada, que segue agora na margem esquerda de uma ribeira afluente do Zêzere. Vai passar pela aldeia de S. Francisco de Assis, até chegar à aldeia da Barroca Grande. É aqui que se localizam os escritórios da Beralt Tin and Wolfram Portugal, a empresa que explora as minas.
Vai certamente querer parar a meio caminho e tirar fotografias à paisagem e a certa altura, às surpreendentes escombreiras que se observam na paisagem.

O que observar

Escombreiras As escombreiras neste caso não são a melhor hipótese para o coleccionador. Pode solicitar com alguma antecedência uma visita às minas. Normalmente estas aceitam visitas de grupos desde que se justifique a vontade e o interesse na visita e haja disponibilidade por parte da empresa (Tlf: +351 275 659100; Fax: +351 275 659119). Pode igualmente solicitar para ver que minerais há para vender. Existe uma pequena sala em que os mineiros vendem alguns minerais.
Se puder organizar uma visita garantimos que se trata de uma experiência inesquecível, mesmo para quem já desceu a outras minas.
Filões quartzosos sub-horizontais A mina explora um conjunto de filões quartzosos sub-horizontais com mineralização em Volframite, Cassiterite e Calcopirite. Estes minerais são tratados para fazer concentrados de tungsténio, estanho e cobre respectivamente.
Muitas vezes existem cavidades nos filões, que na gíria local são designados por “rotos” onde os cristais cresceram em espaço aberto. É nestas cavidades que os cristais se desenvolveram em formas perfeitas. Podem ser encontrados belos exemplares de quartzo, volframite, calcite, siderite, apatite, entre outros.

Um pouco de História
A história da mina da Panasqueira remonta aos finais do século XIX.
A partir de 1910 as Minas da Panasqueira foram exploradas pela empresa Wolfram Mining & Smelting Co. Ltd. Esta exploração durou até 1928, data em que foi criada Beralt Tin & Wolfram Limited que explorou as minas até 1973 em que com a incorporação de capitais nacionais passou a designar-se por Beralt Tin & Wolfram Portugal, S.A.
Pode-se considerar que o apogeu das minas foi durante a segunda guerra mundial, em que a procura do Volfrâmio era grande devido à sua utilidade como endurecedor de ligas metálicas para a construção de armas. Dai para cá a sua importância tem vindo a diminuir, porém, mais recentemente com a crise do urânio empobrecido, que estava a substituir o volfrâmio as minas ganharam novo alento.
Mas a utilidade do volfrâmio não se resume à indústria de armamento. Uma das suas utilizações mais nobres é na indústria eléctrica. Os filamentos das lâmpadas que nos iluminam são de volfrâmio.
A história da exploração de estanho nesta região é bastante mais antiga. Conhecido desde pelo menos a idade do Bronze este elemento químico que é extraído da Cassiterite é utilizada em conjugação com o cobre para formar o bronze, que é uma liga de cobre e estanho. A Península Ibérica a par da Cornualha, no Sul de Inglaterra eram os principais fornecedores deste elemento na antiguidade.
A Panasqueira a par de Neves-Corvo são actualmente as duas principais produtoras de concentrados de Cassiterite em Portugal.

Os métodos de exploração
A mineralização encontra-se em filões de quartzo sub-horizontais. Estes encontram-se encaixados nos xistos do Grupo das Beiras. Trata-se de um “enxame” de filões que se apresentam na periferia de um granito não aflorante (isto é, que não se pode observar à superfície).

A exploração actualmente é feita através do método de câmaras e pilares.
Um pilar da Mina da Panasqueira.(retirado de Kelly & Rye 1987)Primeiro é traçada uma rampa de acesso ao nível ou sub-nível que vai ser explorado. Depois são efectuados travessas num quadriculado de 11 por 11 metros. Cada travessa tem 5 metros de largura por 2 de altura. Nesta primeira fase ficam pilares de 11 por 11 metros. Depois caso os teores do minério sejam adequados, cada pilar destes é cortado por uma nova travessa de 5 por 2. Restando no final pilares de 3 por 3 metros.
O minério é carregado por pás carregadoras até poços de descarga que servem também de silos. Estes poços têm a sua saída num piso de rolagem, onde vagonetas levam o minério até a um poço que através de um elevador leva o minério para o piso onde existe uma câmara de fragmentação. Desta câmara o minério segue por uma rampa até à superfície, onde é tratado na lavaria (local onde os minérios são concentrados).
http://cebola.net/

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

JC - Panasqueira (a caminho, quase) IV


Minas da Panasqueira, demografia e modo de vida (Anselmo



Pampilhosa700

Demografia e modos de vida

“Emigrou tudo e então foram buscar os caboverdianos. Os de cá foram ver de vida. Eu tenho cinco no Canadá. Trabalhavam aqui, também, mas como isto não dava, abalaram”.

Daniel REIS et al (1979, p. 22)Por: Anselmo Gonçalves A actividade mineira que, desde os finais do século XIX, se desenvolveu nesta região, provocou profundas alterações no modo de vida das populações que por aqui residiam e residem.
Alterações essas que foram visíveis ao longo dos anos, com todas as implicações sociais, económicas e culturais que, bem ou mal, alteraram a identidade de várias gerações. Por assim dizer a mina proletarizou o meio envolvente marcadamente rural. Até ao início da exploração do volfrâmio estas comunidades dependiam essencialmente da agricultura de subsistência, da pastorícia e, de uma forma incipiente, moldava-se já um comércio de produtos hortícolas e de origem animal, associado ao comércio do carvão, que eram bastante rentáveis.
No entanto, a maioria dos habitantes nestas freguesias (quadro 1), como noutras próximas, tinham uma vida difícil, e nunca imaginariam que as gerações futuras iriam sofrer o embate da industrialização.

A mina era uma aventura aliciante, fosse trabalhando no “Kilo”, na mina ou mesmo na “Pilha”, o camponês tinha agora a oportunidade de transformar o sonho de sempre em realidade: ser dono de uma casinha e de alguns terrenos, o que no seu pensamento, lhe permitiria enfrentar o futuro com mais tranquilidade, mas casos houve de fortunas completamente dizimadas em horas . Sobre esta situação Jaime DIAS (1969, p. 4) refere que “Dos felizes acasos da sorte na exploração, bastas vezes repetidos, resultava o desvario, a desvergonha e o ridículo. Na ânsia de parecerem o que nunca foram, de gozarem prazeres só dados a pessoas de outros haveres ou formação, desbaratavam o dinheiro como se de coisa inútil se tratasse. (…) No uso pessoal, se não havia acendalhas para activar o fogo na lareira ou acender o cigarro, queimava-se uma nota das peludas, de quilo (de conto) que enchiam a carteira. Analfabetos exibiam, cómica e caricaturalmente, no bolsinho do casaco, lapiseiras e canetas de tinta permanente. (…) As obras literárias para as estantes da mobília do escritório eram encomendadas em relação à largura do vão: um metro ou metro e meio de livros”…
Despertos os interesses económicos das comunidades, a alucinação pela mina provocam no seu início uma euforia sem limites. A mão-de-obra destas freguesias, habituada à dureza do trabalho agrícola, foi facilmente adaptada às técnicas da exploração mineira e rapidamente transformados em operários.
A evolução sócio – demográfica das freguesias confinantes com o Couto Mineiro da Panasqueira (Dornelas-do-Zêzere, Unhais – o – Velho, S. Jorge da Beira, Aldeia de S. Francisco de Assis e Barroca do Zêzere), (figura 2, e quadro 1) tem a ver com a actividade mineira, por um lado (1895 – 1960), e com a emigração (período pós 1960), para os países da Europa Ocidental – França e Alemanha, e para a América do Norte, essencialmente para o Canadá, por outro.
A verdade é que a exploração mineira constituiu uma oportunidade de trabalho, porém limitada pela dureza e riscos físicos envolvidos, que em determinadas situações revoltavam os trabalhadores rurais.
A dinâmica demográfica nestas freguesias (figura e quadro 1), teve a ver com o notável movimento pendular entre as aldeias e as Minas, e fez mesmo crescer a população destas. Este movimento local foi associado a vinda de homens de outros locais do país, que veio fornecer mão-de-obra para o trabalho mineiro, mas também acrescentar outras profissões necessárias nesta região, como por exemplo: alfaiates, sapateiros e pessoal técnico inglês e português. Este movimento obrigou a empresa a desenvolver uma forte aposta na abertura de estradas entre a Portela de Unhais (concelho de Pampilhosa da Serra) e a Barroca Grande, além de construção de pontes como foi o caso da construída sobre o rio Zêzere, inaugurada em 26 de Outubro de 1930, a primeira feita em betão armado em Portugal, e que ainda hoje é utilizada.

Quadro 1 – Evolução da População nas Freguesias confinantes com a Mina da Panasqueira

Quadro 1 – Evolução da População nas Freguesias confinantes com a Mina da Panasqueira
ConcelhoFreguesias1890191119301940195019601970198119912001
Pamp. SerraDor. Zêzere9268609081121127413041045800780677
Unh o Velho639765929120511961298965930828632
CovilhãS.Jorge da Beira66412711297325334223306172015721063694
S. Francisco Assis[1]*379566128918382508198518861396692
FundãoBarroca Zêzere9779741247153416951391855911751634
Silvares1269149016872453260423321105124112781104


[1] ) Não consta do Censos de 1890 como freguesia, nessa data, estava com o nome de Bodelhão e anexada à freguesia da Barroca do Zêzere. Em 1895, o Bodelhão é desanexado da Barroca e passa para a jurisdição do Ourondo, até 19.07.1901, nesse dia separou-se do Ourondo tornando-se Freguesia civil, tendo-se realizado a primeira eleição para a Junta de Freguesia em 25.08.1901.

Como podemos observar no quadro 2 e gráfico 2, este movimento de pessoas está perfeitamente ligado ao período áureo das minas da Panasqueira, 1934 - 1944 . Mesmo depois de as minas terem reaberto em 1946 nunca mais se manteve a mesma dinâmica, pois a partir dessa data, passaram estas minas a estar dependentes do preço do volfrâmio, no mercado internacional.
Passemos então a uma análise mais pormenorizada de como se processou esta dinâmica:
- Entre 1890 e 1911 – O trabalho nas minas iniciou-se em 1895 e era menosprezado, a exploração era feita em pequenos filões à superfície e portanto a produção era baixa, não havia necessidade de grande quantidade de mão-de-obra, dai recorrer-se exclusivamente a mão de obra local, agricultores e portanto homens adaptados a trabalho duro.
- Entre 1911 e 1928, deu-se a viragem em termos de produção. Em 1911, as Minas da Panasqueira passam para um novo dono a Wolfram Mining ande Smelting Company Limited, que implementa novos métodos de exploração alicerçados em grande quantidade de trabalhadores, visto que em 1912 tinha já ao serviço 201 funcionários que extraíram 280 toneladas de volfrâmio. Neste período, que engloba a primeira Guerra Mundial (1914-1918), trabalhavam nas Minas da Panasqueira, cerca de 800 homens , que eram responsáveis pela extracção de aproximadamente 360 toneladas ano. Após 1920 a actividade extractiva quase paralisou, até finais da década de 20.
- Em 1928 reinicia-se a actividade e em 1934 inicia-se a “corrida”, (observar quadro 1 em anexo) na procura do volfrâmio, indício claro dos preparativos para o segundo conflito mundial, que leva a um natural aumento da produção, mas, para que tal desiderato se cumpra houve a necessidade de recorrer a elevada mão-de-obra que já não existia nesta região. Começa então a afluir a estas minas, elevado número de homens para o trabalho na mina. Nessa perspectiva João Mateus DUARTE (1988, p. 200), afirma que: “os homens da região são já insuficientes para as necessidades da mina. De todo o país chegam mais homens que a mina absorve. Subjacentes à mina, as comunidades genuinamente mineiras vão crescendo. Para a empresa concessionária, a rendibilidade da exploração passa por estes aglomerados populacionais, denominados Coutos Mineiros. A proletarização é aqui mais evidente e alargar-se-ia às comunidades rurais. Há homens de muitos lados e só aqui estão para ganharem um melhor salário, temporariamente fixados porque a mina lhes criou condições para isso, condições que os anos vieram a demonstrar serem deficientes, face à dureza das condições de trabalho”.
Nesta fase a oferta de mão-de-obra era tal, que J. Avelãs NUNES (2000, p. 227) menciona que existia uma reserva permanente que não deixava de actuar sobre os já precários salários praticados, criando situações de injustiça que vieram a despoletar situações preocupantes ao nível da segurança pública. Eram comuns as rixas e desordens entre trabalhadores de vários pontos do país, muitos deles de conduta pouco exemplar, o que contribuiu para aumentar os fenómenos de criminalidade e violência (roubos, rixas, utilização de armas de fogo, prostituição).
Essa mão-de-obra que chega de outras partes do território Nacional, faz com que determinadas freguesias vissem a sua população aumentar em vinte anos, mais de quatrocentos por cento, caso da aldeia de S. Francisco de Assis, mais de duzentos por cento S. Jorge da Beira, e mais de cem por cento as restantes freguesias: Silvares, Dornelas do Zêzere e Barroca do Zêzere, respectivamente (observar o quadro e gráfico 3).
Após 1960 embora a mina fosse dando emprego a quem o procurasse , a verdade é que desde então a mina deixou de atrair, implicitamente porque já estava associado o mal da mina, “Silicose” , a quem para lá fosse trabalhar. Esta doença profissional semeou a morte nas comunidades mineiras das freguesias aqui representadas , e ainda sobre o efeito desta doença, Daniel REIS e Fernando PAULOURO (1979, p. 11) traduzem de uma forma violenta as consequências da silicose na população mineira, ao ponto de afirmar que “alguns já nem sangue têm: foram-no cuspindo pela boca, arrombados de todo…” Essa doença bem cedo levou homens e jovens na flor da idade, deixando viúvas e órfãos . As consequências foram trágicas e lentamente, foi-se tornando um pesadelo e um temor o que deixou um rasto de ódio à mina. As condições de trabalho, a silicose e o próprio futuro eram razões mais do que válidas para manter esse ódio e procurar de todas as formas fugir à mina, o que aconteceu com a perspectiva da emigração. Cláudio dos REIS (1971, p. 36) exprime de forma singela esta situação, afirmando, que: “nos últimos tempos a actividade destas minas vem sendo seriamente afectada pela falta de mão de obra, principalmente nos trabalhos subterrâneos,…”
Actualmente, as freguesias analisadas apresentam dinâmicas demográficas idênticas às restantes freguesias rurais do concelho do Fundão, Covilhã e Pampilhosa da Serra, com a predominância dos estratos etários acima dos 60 anos de idade. De facto olhando para os quadros com a evolução demográfica, cruzando com o conhecimento profundo deste território, podemos concluir que as minas, desde há muito tempo, deixaram de exercer uma influência capital na evolução demográfica da região, como foi entre 1930 e 1960.


Bibliografia

BARROQUEIRO, Mário Luís Gaspar (2005) – O Declínio de Centros Mineiros Tradicionais no Contexto de uma Geografia Industrial em Mudança. As Minas de Aljustrel e da Panasqueira. Dissertação de Mestrado em Geografia Humana e Planeamento Regional e Local apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

CARNEIRO, Fernando Soares (1961) – “A silicose e as minas”. Estudos Notas e Trabalhos do Serv. Fom. Mineiro. Vol XV, fasc. 1-2.

DIAS, J. L. (1969) – “Volfrâmio e Estanho na Vida e Costumes da Beira Baixa”. Separata da Revista Etnografia, 23, Museu de Etnografia e História.

DUARTE, João Mateus (1988) - “Implicações Históricas no Meio Comunitário Periférico ao Couto Mineiro da Panasqueira”. Actas das II Jornadas da Beira Interior, Jornal do Fundão, vol. 2º, pp. 199 - 203.

MATOS, J. X. (2001) – “Património mineiro português: estado actual da herança cultural de um país mineiro”. Actas do Congresso Internacional Sobre Património Geológico e Mineiro, IGM, Lisboa.

MÓNICA, Maria Filomena e BARRETO, António (coord) (2000) – DICIONÁRIO DA HISTÓRIA DE PORTUGAL, Livraria Figueirinhas, vol. 9, p. 601 – 604.

NAMORA, Fernando (2003) – MINAS DE SAN FRANCISCO. PUBLICAÇÕES EUROPA-AMÉRICA, Mem Martins.

NUNES, João Paulo Avelãs (2000) – “Volfrâmio português e ouro do Terceiro Reich durante a Segunda Guerra Mundial (1938 – 1947)”, Vértice, II Série, n.º 94, Março / Abril, p.42 – 59.

NUNES, João Paulo Avelãs (2000) – “ Portugal, Espanha, o volfrâmio e os beligerantes durante e após a Segunda Guerra Mundial”, População e Sociedade, n.º 6, p. 211 – 241.

NUNES, João Paulo Avelãs (2005) – O Estado Novo e o volfrâmio (1933-1947). Projecto de Sociedade e opções Geoestratégicas em Contextos de Recessão e de Guerra Económica. Dissertação de Doutoramento em História, Especialidade em História Contemporânea, apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

REIS, Daniel; NEVES, Fernando Paulouro (1979) - A GUERRA DA MINA E OS MINEIROS DA PANASQUEIRA, A Regra Do Jogo Edições, Lisboa.

RIBEIRO, Aquilino (1961) – VOLFRÂMIO. 2ª Edição, Livraria Bertrand, Lisboa.


quarta-feira, 6 de outubro de 2010

JC - Panasqueira (a caminho, quase) III


12 Fev 98 Terras da Beira
Semanário

















Sonhos perdidos nas
minas da Panasqueira

A beleza natural da Barragem de Santa Luzia, associado ao sossego da paisagem rural, eram os atractivos utilizados para a promoção de um centro turístico para as Minas da Panasqueira. Com a concretização deste projecto, da responsabilidade de um grupo luso-belga, podia nascer uma nova luz ao fundo do túnel daquela região que estava mergulhada numa crise socioeconómica. Jorge Patrão, actual presidente da RTSE e na altura vereador da Câmara da Covilhã, empenhou-se na divulgação daquele centro turístico que, por enquanto, está longe de vir a ser uma realidade.

Um ano depois da crise nas Minas da Panasqueira, em 1994, uma nova esperança surge para a região. Os jornais noticiavam que estava projectado um centro turístico para rentabilizar as condições naturais de uma vertente da Serra da Estrela ainda por explorar. O anúncio era feito por Jorge Patrão, o actual presidente da RTSE e, na altura, vereador na Câmara da Covilhã. Convicto do sucesso do projecto da responsabilidade de um grupo luso-belga, o autarca não teve mesmo pejo em dizer que este empreendimento ía ser uma «pedrada no charco na realidade socioeconómica que se vive na região».

A ideia deste projecto turístico teria surgido de um empresário português radicado na Bélgica e natural do couto mineiro. Como na altura noticiava o «Público», pretendia-se, assim, rentabilizar as condições naturais de uma vertente da Serra da Estrela, assim como a área envolvente da barragem de Santa Luzia. O grupo pretendia igualmente aproveitar alguns imóveis da Beralt para instalar as infra-estruturas e disponibilizar apartamentos para arrendamento ou venda a famílias que desejem passar férias em Portugal. Na região poderia ainda vir a ser construído um museu das minas. Para o arranque do projecto, foram iniciados contactos com a Beraltin.

Contactado pelo TB, Correia de Sá, administrador da empresa mineira, confirmou que chegaram mesmo a ser vendidas «uma grande parte das casas da Panasqueira, a preços relativamente baixos. As cerca de cinquenta casas não chegaram a atingir a soma de dois mil contos». Algumas chegaram mesmo a ser adquiridas por belgas. Desta forma a Beraltin pretendia colaborar, «na medida do possível, com o desenvolvimento turístico da região».

Os cartazes que na altura foram colocados em vários locais da freguesia, pelo grupo luso-belga, anunciando a venda de uma variedade de casas, era oferecida a «possibilidade de desportos náuticos: barcos de recreio, motonáutica, vela, ski, surf». Como se não bastasse para convencer, era referido que o empreendimento, que «ficaria a 12 quilómetros do rio» e «a 18 quilómetros da Barragem de Santa Luzia.», tinha «todo o esplendor e sossego da paisagem rural». No fundo, este era «o local ideal para as férias merecidas!».

Grupo luso-belga admite não haver «nada de concreto»

Desconhecendo tudo o que se estava a passar, o então presidente da Junta de Freguesia de S. Jorge da Beira, José Alves Pacheco, deslocou-se à Câmara da Covilhã para obter informações detalhadas sobre o complexo turístico divulgado por Jorge Patrão mas pouco mais ficou a saber. O vereador ter-lhe-á mesmo dito que «não estava autorizado a falar desse empreendimento, uma vez que estava no maior sigilo», salientou o autarca no decorrer de uma reunião da Assembleia Municipal da Covilhã, realizada em finais de 1994.

Prosseguindo a sua intervenção, José Alves Pacheco acrescentou que só depois de se dirigir à empresa Beraltin foi finalmente informado do que se estava a passar. Mas as dúvidas persistiram e ainda hoje continua céptico quanto à concretização deste aldeamento turístico.

O TB já conseguiu saber junto da administração da empresa responsável pelo projecto, que «nunca houve qualquer intenção de pôr de lado o presidente da Junta de Freguesia de S. Jorge da Beira». Esse contacto não veio a verificar-se porque, argumenta um dos responsáveis do grupo luso-belga, «as coisas não correram como esperávamos» e, para além disso, «ainda não havia, tal como hoje, nada de concreto quanto ao projecto turístico».

Este viria a ser, aliás, o motivo que levou a empresa «a recusar o pedido de Jorge Patrão para marcar uma conferência de imprensa para divulgar o projecto». Curiosamente, o então vereador da Câmara da Covilhã e actualmente presidente da Região de Turismo da Serra da Estrela, assim não entendeu e decidiu ele anunciar aos quatro ventos a boa nova e, segundo noticiou na altura o Notícias da Covilhã, a assumir mesmo que «o projecto estava com grandes avanços, faltando apenas a assinatura das escrituras».

O que é certo é que, passados quase quatro anos, tudo ainda não passou de meras intenções. Um dos administradores já confirmou ao TB que «neste momento» não vão avançar porque «ainda não conseguiram os apoios necessários para o projecto desejado». Não se poderá, no entanto, falar de desistência. Tanto que, salientou, continuam a promover o projecto «lá fora» e a ser «desenvolvidos alguns contactos para poder avançar».

Em declarações ao TB, Jorge Patrão rejeita que se tenha envolvido em demasia neste «projecto», argumentando que «é preciso não esquecer que se estava a viver uma altura muito difícil naquela região e era preciso dar alguma motivação para o futuro». E como o grupo luso-belga tinha intenção de «promover a venda e a recuperação das casas da aldeia», o recém eleito presidente da RTSE considerou que era necessário «acarinhar aqueles que mostravam vontade em remar contra a maré e promover algum tipo de investimento numa zona que estava totalmente carenciada». Jorge Patrão entendeu também que não devia manter em segredo tudo isto e achou por bem divulgar o projecto que hoje não passa ainda de um «sonho» de alguns.

Diferente sorte para as minas

Diferente futuro parece terem as minas da Panasqueira. Cem anos depois do início da sua laboração, apresentam hoje uma situação, considerada pelo administrador da empresa, Correia de Sá, de «normal». A crise em que esteve envolvida entre 1993 e 1995 parece estar ultrapassada. Emprega actualmente cerca de 250 trabalhadores e todos os meses são extraídos 170 toneladas de concentrado de volfrâmio.

A boa situação da empresa levou já a administração a fazer investimentos, nomeadamente a construção de uma nova lavaria, abertura do terceiro nível de extracção e a construção de um novo poço, garantindo mais dez anos de vida da mina.

Desconhece-se quem terá descoberto as minas da Panasqueira, sabendo-se que há registos de exploração mineira naquela zona durante a ocupação romana. Mas o registo da mina teria sido feita apenas a 15 de Abril de 1886, na Câmara Municipal da Covilhã, por Manuel dos Santos e Boaventura Borrel, que seriam mesmo reconhecidos como tendo sido os descobridores do volfrâmio da Panasqueira. Em 1894, o próprio rei D. Carlos I de Bragança concendia o alvará.

Dezasseis anos depois, a mina viria a ser arrendada a uma empresa inglesa, a Wolfram Mining and Smelting Company, que mais tarde se viria a fundir na Baralt Tin Limited.

Os anos de crise começaram a partir de 1928 e, desde então, as lutas foram-se sucedendo. Até que, em Janeiro de 1993, a empresa paralisa, alegadamente por haver dificuldades no escoamento do produto. Mas, passados dois anos, a exploração volta a estar em expansão. Adiado está a concretização do sonho de um dia surgir ali muito próximo um centro turístico. A continuar assim será mais a juntar-se ao que uma empresa norte-americana projectou, há alguns anos atrás, para a albufeira da Barragem de Santa Luzia. Por agora, aldeamentos, estalagem, restaurantes, campos de ténis, clube náutico, marina... tudo não passou de um «sonho americano».

Gustavo Brás

terça-feira, 5 de outubro de 2010

JC - Panasqueira (a caminho, quase) II


Minas da Panasqueira
A vida debaixo da terra

As Minas da Panasqueira são as maiores minas subterrâneas do mundo, com mais de 12 mil quilómetros de túneis escavados pelo homem. Descemos a 200 metros de profundidade e encontrámos volfrâmio, um dos mais valiosos metais.

Subida do preço do volfrâmio traz esperança à Panasqueira

"As Minas da Panasqueira laboram há sensivelmente 100 anos. Desde então atravessou momentos altos e baixos, consoante a oscilação do preço do volfrâmio no mercado. Destas minas são extraídos cacitrite, donde provém o estanho, calcopirite, que dá o cobre e a volfrâmite, que tem múltiplas aplicações. O volfrâmio é o produto de exploração principal na Panasqueira. Foi pela primeira vez apresentado em 1900, na Exposição Universal de Paris, pelos americanos que descobriram as suas potencialidades quando associado ao aço, conferindo-lhe alta resistência. A partir daí as suas aplicações foram várias, desde o tungsténio (filamento das lâmpadas), às lâminas dos buldozzers, às brocas até à electrónica e a material cirúrgico. Na indústria da electrónica "chegam 100 toneladas para responder a todas as necessidades", explica Ramakchondra Naique, formado em engenharia mineira e director geral das minas.
Com características de dureza semelhantes às do diamante, alta densidade e trabalhado em pó, resistindo a temperaturas de fusão muito elevadas, o uso do volfrâmio, um dos últimos metais a ser descoberto pelo homem, nunca se tornou muito vulgar devido ao seu preço. Outros metais mais baratos, como por exemplo o urânio empobrecido ou o chumbo, substituem-no numa das suas maiores aplicações: o armamento. Foi por altura da Segunda Guerra Mundial que a exploração na Panasqueira atingiu o seu auge. Por essa altura chegou a empregar 11 mil pessoas. Naquelas paragens, a paisagem envolvente indicia uma grande actividade à volta da mina. Na encosta são visíveis numerosas fileiras de casas que eram propriedade da mina até 1994, altura em que a mina fechou pela primeira vez. A administração, anterior à actual que assumiu a exploração em Janeiro de 95, entregou essas casas às famílias dos mineiros. Muitas delas destelhadas mostram o abandono que vivem actualmente. Sente-se em toda a vila uma magia que lhe terá ficado dos tempos idos.
Actividade intensa voltou a viver nos anos de 55 e de 84 a 86. Hoje bastam apenas dois turnos de 40 homens no interior da mina para ela produzir diariamente as cerca de duas toneladas de 'tal e qual', matéria bruta de minério extraído de onde é retirado o tungsténio, que resultam numa produção de 145 a 150 mil quilos de concentrado de volfrâmio por mês. Desde há dois meses o rendimento das Mina da Pansqueira tem subido devido a variações positivas no mercado bolseiro do valor do volfrâmio, resultado da quebra da produtividade das minas de volfrâmio da China, a principal concorrente."

"Obra da mãe natureza"

"Quanto ao futuro, o subsolo da Panasqueira tem minério para exploração por mais duas ou três gerações, chegando aos 400 metros de profundidade.
José Duarte, 56 anos, é mineiro há 28. Hoje abandonou o interior da mina e trabalha no departamento de geologia da empresa. Conhece a mina como a palma das suas mãos, refere fascinado com a "obra da mãe natureza". O seus colegas afirmam que seria capaz de não se perder mesmo às escuras por meio dos labirintos de túneis e pilares. Mesma sorte não têm outros trabalhadores que, quando são novos ali, se desorientam, mas basta "seguir o som das máquinas".
Toda a mina está cartografada, identificando exactamente todos os filões, pedaços longilíneos onde se encontram os vários minérios, que deverão ser explorados.
Debaixo de terra sente-se um cheiro intenso. "Cheira a mina", afirma José Duarte.
O fascínio pelo subsolo estende-se a muitos curiosos que a visitam. O responsável pelo departamento de geologia defende que as Minas da Panasqueira "se houver força de vontade dos responsáveis, podem vir a ser um pólo de atracção turística."

Falta de mão de obra no sector

"Em Outubro passado a Beralt In & Wolfram tentou admitir pessoal para os quadros mediante formação garantida pela própria empresa. Para isso publicou vários anúncios a recrutar pessoal para as minas. A intenção era mesmo abrir a antiga Escola Mineira das Minas da Panasqueira, espaço que funcionava para dar preparação ao longo de 4 a seis meses para exercer as funções de mineiro.
Na primeira solicitação aos centros de emprego da Covilhã e Arganil, obtiveram 53 respostas, das quais só admitiram 3 com os requisitos necessários.
Dentro de um ano e meio a empresa pensa vir a recrutar mais pessoal, entre 60 a 80 pessoas, para poder aumentar a produção. Os tempos de reforma dos actuais mineiros estão a chegar e há necessidade de renovar mineiros e técnicos. Nos dias de hoje, e devido ao desenvolvimento tecnológico adoptado, o espaço parece vazio. É possível ter a produtividade de 25 homens apenas com cinco a trabalhar."

Raquel Fragata

Urbi et Orbi-Jornal On-Line da UBI

Nota. Este artigo reporta-se a 05 de Fev de 2001. Pela sua importância até como documento, é republicado para memória futura, de todos quantos viveram e ainda vivem do trabalho na maior mina do mundo.